sexta-feira, 5 de março de 2010

Guida, a gata.





Guida subiu no teclado, reescrevendo o ditado "o gato subiu no telhado".
E o mouse que se cuide!

Não se fazem mais escritoras como antigamente. Hoje em dia são felinas observadoras do cotidiano.

Guida foi um filhote abandonado na praia. No verão de 2007, trouxe-a para Curitiba, levei-a ao veterinário, tratei suas perebas, vacinei-a, e com presumíveis sete meses, foi castrada. Guida é uma gata de apartamento. Afia unhas no sofá, deixando tudo contemporaneamente desfiado.
Pensa que me engana fingindo que vai dormir em sua almofada
, pois prefere meu edredon. Se o despertador toca e não acordo ela mia bem pertinho do meu rosto.
Outro dia deixou algo escrito em gatês. Com patas macias caminhou pelo teclado e esta interessante mensagem ficou impressa:
"axxsddeffrvgtbt456y776hynhnuj7kmjiik89ool,l.opçp
][~;ç´p.l,okkomjn98miau7y7hyh bhgvgvcftr5frcdxerssxe
\aqz123e3dewcxdecefrv4tgvt5miaubhyby65n76uujn7um
njkim89lk;]~[´=-lçpl,o,OMIKMNJNHBYTVGTVFCFRCxex
xmiauszsw
ewaq123edcefvrgtbhynjmkuk0o/p
9i,iuhbygt
,u.loç;p~´´ç=p, vcr56xe
43zwa2'12w3er4ftg
"
Guardei unicamente por interesse científico. Talvez algum estudioso do comportamento animal ou tradutor de gatês se interesse pela crônica do cotidiano de Guida.