sábado, 28 de junho de 2008

Hora do Conto na Bisbilhoteca


Mila esteve na hora do conto da Bisbilhoteca, no dia 28.06.08.
Em frente ao espelho, perguntou, tal qual sua ancestral:- Espelho, espelho meu, existe alguém mais bonita do que eu?
Ao que o espelho respondeu:
- Mila, den
tre as bruxas, és a mais bela!
Contente ela declarou:
- Como é virtuoso este espelho!!





sexta-feira, 27 de junho de 2008

Inauguração da Tenda de Sonhos e Encantos do CMEI Atuba

No dia 27/06/2008, as crianças do CMEI Atuba ganharam um espaço especial.
A tenda colorida e aconchegante onde todos querem entrar para ler, sonhar e encantar-se. Os livros são manuseados e lidos com curiosidade. É de lá que saem personagens como Chapeuzinho Vermelho, Emília e a Fada para encantar e contar histórias.
Com um lindo e delicioso bolo, crianças, pais, profissionais e amigos festejaram a inauguração.
A Diretora do Departamento de Tecnologia e Difusão Cultural Marilda Confortin entregou livros em nome da Secretaria Municipal da Educação.
A Secretária de Educação Eleonora Bonato Fruet ressaltou a competência dos profissionais da Educação Infantil.
A Diretora Abigail Schambeek relatou que a tenda idealizada em 2004, era de filó, e foi criada para a semana da criança. A partir de hoje, transformou-se em local de leitura, “Sonhos e Encantos”.

Esta pequena biblioteca conta com um acervo de cerca de 500 livros de literatura infanto juvenil. Durante o mês da literatura, estão sendo desenvolvidas atividades com livros dos autores: Ziraldo, Marilza Conceição, Eva Furnari, Monteiro Lobato, Maurício de Souza, Ruth Rocha, José Paulo Paes, Sylvia Orthof.
A exposição com trabalhos das crianças, mostra atividades e materiais que atraem os pequenos, como impressos em Braille e livros de pano.

terça-feira, 10 de junho de 2008

Comemoração do mês da Literatura Infantil, no CMEI Atuba

Fui a autora convidada para participar do mês da Literatura Infantil, 
no Cmei Atuba. Uma delícia contar a história do Amarelo para a plateia querida. Esta é a Tenda dos Sonhos e Encantos, no Cmei Atuba.
Idealizada pela diretora Abigail Chambec e montada pela 
competente equipe de professores e educadores.

A história de Amarelo, um filhote de peixe curioso,
faz as crianças mergulharem no fundo do mar.

sexta-feira, 6 de junho de 2008

Quando os professores pensam em poesia.

Costumo reunir as crianças do 1º ano, numa roda de conversa debaixo da árvore ou no pátio da escola, para a contação de histórias. Este lugar, seja qual for, chama-se "Cantinho Mágico das Histórias". E basta nos sentarmos, seja na grama ou na calçada, que aparece o tapete de Sherazade, que nos leva para as terras da magia. As crianças anseiam por estes momentos. Eu também. Neste dia, mal iniciei o conto e o interesse de todos voltou-se para a nuvem escura que pairou sobre nossas cabeças. Sentimos a mudança de temperatura e o vento mais forte e frio. Isabela definiu que a “nuvem incha, incha, engorda, engorda e cai em chuva”. Propus a todos que sentissemos os pequenos pingos e saímos correndo pela grama, de braços abertos. Foi um momento de alegria exuberante. Algumas delas hesitaram: "Mas pode?", pois afinal, é "proibido" sair na chuva para sentir as gotas. Surpreendentemente, de um tufo de mato alto, saíram insetos. E entre gritos e gotas de chuva, libélulas voaram e as crianças tentaram pegá-las. Após alguns instantes, já no pátio coberto, olhávamos as fortes gotas espocando na calçada. Não há dicionário melhor do que este, ao vivo, para explicar a palavra espocar. Logo depois, voltamos satisfeitos para a nossa classe. Num momento de criação afinado, as crianças estimuladas pela chuva e o descobrimento das libélulas, expressaram o pensamento poético do acontecido. Anotei seu relato e o li para todos. Discutimos as frases que melhor definiam a experiência vivida, que formatamos nos versos, que logo viraram canção:
LIBÉLULAS
A libélula parece um helicóptero
Só que bem pequenininho.
Nós corremos pela grama pra tentar pegar:
Acho que ali perto tem um ninho!

Algumas crianças pulam alto
Quase pegam os insetos
Mas não conseguimos alcançar, porque
nós não sabemos voar!